Por que a cotação do Bitcoin oscila tanto?

No mundo dos investimentos, uma dúvida sempre fica no ar: como a cotação do Bitcoin é formada? Veja os possíveis motivos que movimentam a cotação do ativo.

0 995

No mundo dos investimentos, uma dúvida sempre fica no ar: como a cotação do Bitcoin é formada? De forma geral, pode-se dizer que essa cotação é influenciada por diversas questões, externas e internas ao mercado, no entanto, a volatilidade atinge, de forma direta, o preço e a maneira com que as criptomoedas são utilizadas. 

Os bitcoins, bem como as moedas tradicionais, apresentam quedas e aumento de preço, dependendo do momento econômico, de forma que tal alternância pode acabar afetando a maneira como as criptomoedas são utilizadas.

Dessa forma, ao compararmos o mercado das criptomoedas com os mercados tradicionais, podemos notar que a cotação do Bitcoin varia muito mais do que o normal.

Em um só dia, por exemplo, o preço das criptomoedas pode aumentar cerca de 20% e cair na mesma proporção. Sendo assim, a volatilidade dessa moeda é maior do que as tradicionais, como o dólar, o real ou o peso. 

Não é à toa, portanto, que o mercado das criptomoedas – bem como a sua cotação – é um pouco diferente do que estamos acostumados. Os números, inclusive, acabam assustando alguns investidores que buscam começar a aplicar nesse novo ramo.

No entanto, fique sabendo que aqueles que acertam de forma exata qual moeda será desvalorizada e qual receberá mais aplicações, consegue, em poucos minutos, um grande lucro – e com isso é possível perceber a rapidez com que este mercado funciona. 

Então, se você deseja saber mais e entender como funciona a cotação do Bitcoin, continue lendo este artigo. Aqui, será mostrado para você como as criptomoedas funcionam e de que maneira este novo mercado está chegando para conquistar os investidores. Não fique de fora e confira a seguir tudo sobre os bitcoins.

 

O que é um Bitcoin?

 

Antes de compreender o que é um Bitcoin, é preciso saber o que é um criptomoeda. 

Novidade no mercado de ações, as criptomoedas, em linhas gerais, são uma espécie de moeda digital, que não possuem regulamentação e são calculadas por processo matemáticos que analisam a rede e verificam a valorização do sistema da moeda.

Assim, os bitcoins são criptomoedas que não possuem relação com governos e bancos centrais, caracterizando-se como uma forma monetária universal, não atrelada a regulamentações ou grandes instituições. 

O cálculo dos bitcoins é feito através de procedimentos matemáticos, onde verificam-se os computadores conectados ao sistema dos criptoativos. 

De forma resumida, os bitcoins são gerados e administrados por meio de uma rede de dados bastante segura, conhecida como blockchain. Essa rede garante que todas as movimentações realizadas no sistema sejam feitas, a fim de transferir de forma correta os valores para todos os usuários. 

Vale ressaltar ainda que as criptomoedas podem ser convertidas em dinheiro e utilizadas para realizar compras dos mais diversos produtos e serviços, garantindo ao usuário uma opção de pagamento a mais –  tendo em vista que, hoje em dia, diversos estabelecimentos já aceitam criptoativos como uma das formas de pagamento. 

 

O que influencia a cotação do Bitcoin?

Por que a cotação do Bitcoin oscila tanto?
Por que a cotação do Bitcoin oscila tanto?

 

Para investir em qualquer coisa, antes é necessário entender como aquilo funciona e, principalmente, o que influencia a sua cotação. Compreender o que faz um produto estar valorizado ou desvalorizado é essencial para saber aplicar, de forma correta, em determinado investimento. 

Portanto, para começar a entender as criptomoedas, é preciso saber o que faz com que a cotação do Bitcoin oscile com tanta facilidade. 

Nesse sentido, é importante deixar claro que os Bitcoins foram criados em 2008, mas foi somente em 2013 que a criptomoeda foi valorizada, chegando a valer cerca de U$ 1 mil cada moeda. 

A partir de então, o seu crescimento foi avançando e passando, também, por algumas variações, até que, em 2017, voltou ao seu valor mais alto, destacando-se no mercado de ações. 

No entanto, por ser algo em constante crescimento, não existe ainda um índice que consiga medir as oscilações da cotação do Bitcoin. Por conta disso, é necessário analisar todos os fatores que podem influenciar a queda ou a valorização dessas moedas. 

 

1. Risco político

 

Um dos fatores que influencia a cotação das criptomoedas é o cenário político, que, consequentemente, determina a economia e os valores das moedas nacionais e digitais. 

Assim, a oscilação da cotação do Bitcoin acontece de forma que, para cobrir as variações das moedas tradicionais, investidores acabam utilizando as criptomoedas.

Sendo assim, quando crises políticas e econômicas acontecem, há uma tendência de investidores adquirirem, cada vez mais, Bitcoins e criptomoedas para proteger o seu patrimônio.

 

2. Oferta e procura

 

Este é um fator que influencia toda e qualquer negociação comercial. Então, para determinar o valor das criptomoedas, é traçada uma linha entre a oferta dos vendedores e a demanda de procura por parte dos investidores. 

A oscilação da cotação do Bitcoin, por sua vez, é muito influenciada pela demanda de oferta e procura, de forma que, quanto maior for a busca pela criptomoeda, maior será o valor cotado para o investimento – e o contrário acontece da mesma forma quando a moeda está desvalorizada. 

 

3. Mercado 

 

Por não possuir muita regulamentação, o mercado que cerca a venda de criptomoedas está aberto para qualquer pessoa que tenha interesse em investir em bitcoins. 

Assim, quando o número de negociações é muito grande, alguns fatores acabam influenciando o valor da moeda. Dessa forma, taxas cobradas, número de clientes e reputação da moeda são pontos essenciais que irão determinar a cotação do criptoativo. 

 

4. Dólar

 

A volatilidade do dólar também é um quesito importante na determinação da cotação do Bitcoin. Devido à influência da moeda estadunidense em todo o cenário econômico do mundo, o preço de diversos criptoativos é determinado tendo como base a cotação do dólar. 

Em alguns sites de cotação do Bitcoin, por exemplo, o valor do dólar é um fatores determinantes para definir o preço das criptomoedas. 

 

5. Problemas técnicos

 

Como o Bitcoin é uma forma de monetização virtual, vez ou outra erros e problemas técnicos com o sistema podem acabar influenciando a cotação dos criptoativos. 

Assim, quando sistema sofre atualização, corrige bugs e promove melhorias no processo, a cotação do Bitcoin pode aumentar, por exemplo. 

Além disso, problemas de segurança e ameaças de hackers podem acabar causando uma grande desvalorização dos bitcoins, devido ao medo e à preocupação dos investidores de acabarem perdendo seus bens. 

Em suma, o ponto principal a ser destacado neste tópico é que os bitcoins são moedas eletrônicas e acabam dependendo de sistemas online e da internet como um todo. Dessa forma, oscilações e erros relacionados à plataforma podem acontecer, o que, consequentemente, acaba deixando investidores com um pé atrás quanto a aplicação nesse mercado. 

 

6. Controle de capital

 

O Bitcoin, como você pôde ver acima, é uma opção alternativa às moedas tradicionais, que são atreladas a Governos e bancos centrais. 

Levando isso em consideração, quando Estados autoritaristas impõem controle sobre o capital de um determinado país, uma saída para obter o controle dos seus próprios fundos é a obtenção de bitcoins.

Sendo assim, as criptomoedas, por não possuírem uma regulamentação e não fazerem parte do sistema tradicional monetário, garantem ao investidor opções de controle quando o Estado está regulando saques, depósitos e barrando a saída da moeda do país. 

Então, o investimento em criptoativos, devido a situações onde a moeda de um país está sendo controlada pelo Governo, gera uma cotação alta de bitcoins, valorizando a criptomoeda e fazendo com que o seu fechamento seja bom naquele período. 

 

7. Regulação imposta por países às criptomoedas

 

A insegurança dos Governos devido ao uso de criptomoedas é grande, portanto, alguns países interferem na utilização dos ativos, com o discurso de que as moedas são úteis para cobrir rastros de crimes como lavagem de dinheiro e evasão de divisas. 

Dessa forma, em alguns lugares o uso de bitcoins é, automaticamente, considerado suspeito. Isso, por consequência, cria uma desvalorização do mercado, devido à má reputação que as criptomoedas levam nesses países. 

 

8. Aceitação do uso de criptomoedas por grandes empresas

 

Com o crescimento das criptomoedas, o mercado vem aceitando, a cada dia mais, transações com este tipo de retorno monetário. 

No entanto, embora o Bitcoin esteja ganhando cada vez mais destaque no mundo todo, a utilização das criptomoedas por empresas e instituições como forma de pagamento ainda é pouca. 

No Brasil, temos menos de 100 lojas que aceitam transações com criptoativos, por exemplo, enquanto no Japão seu uso já é grande e muito disseminado por todo o país. Em lugares como Europa e Estado Unidos, o número de aptos vem crescendo, mas ainda não é algo muito popular, levando em conta o número de empresas e instituições na região. 

Mesmo que o número de adeptos ao uso dos bitcoins no dia-a-dia ainda seja baixo, pequenas empresas vem crescendo e adotando o uso de criptomoedas como forma de pagamento e, dessa maneira, isso gera confiança para a maior aceitação de ativos no mercado. 

O grupo brasileiro Reserva – que produz roupas masculinas e infantis – é um dos poucos no país que aceitam Bitcoins como forma de pagamento em seus e-commerces. A implementação do novo sistema aconteceu no início de 2018 e já gerou para a marca mais de R$ 50 mil em vendas com as criptomoedas só nos primeiros meses. 

Além de valorizar a moeda, trazendo cada vez mais compradores, marcas que disponibilizam opções de pagamento por meio de criptomoedas acabam atraindo mais clientes e criando um marketing espontâneo em cima da empresa, que traz novidade e se mostra ativa no mercado, acompanhando as novas tendências.

Dessa forma, agora você já conseguiu entender que a cotação do Bitcoin é determinada por diversos fatores, internos e externos ao sistema, o que afeta, não somente a criptomoeda, mas também toda a economia e relações monetárias no mercado. 

E, com a rapidez que as coisas fluem dentro do mercado de criptoativos, é necessário estar sempre informado, acompanhando a cotação do Bitcoin e todas as questões que podem acabar alterando o status quo da moeda. 

Assim, apesar da volatilidade, as criptomoedas vêm se posicionando no mercado de maneira cada vez mais forte. Com isso, as oscilações são menores e a tendência para a cotação do Bitcoin é de se tornar cada vez mais estável, oferecendo segurança àqueles que desejam investir. 

 

Melhores lugares para conferir a cotação do Bitcoin

 

Bom, agora que você já entendeu quais são os fatores que podem influenciar a cotação dos bitcoins, é importante saber onde se informar quanto às oscilações e preços no mercado.

Para isso, separamos para você os melhores lugares para acompanhar a cotação do Bitcoin e ficar por dentro de tudo que acontece no mundo dos criptoativos. Veja quais são eles logo a seguir: 

 

CoinMarketCap: O site da empresa CoinMarketCap traz ao usuário informações a respeito de todo o mercado de criptoativos, de forma completa e facilitada. 

Na plataforma, é possível verificar a cotação do Bitcoin e analisar a lista de mercado e exchanges. 

 

Biscoint: Através do Biscoint é possível acompanhar a cotação do Bitcoin em tempo real, além de ficar por dentro dos melhores momentos para compra e venda das criptomoedas. 

O Biscoint é destaque por possuir em sua plataforma informações de taxas de saque, depósito e execução de criptoativos. 

 

Em suma, o mercado de criptomoedas está em constante atualização, fluindo sempre de forma rápida e conectada. Por isso, a cotação do Bitcoin Hoje e de outros criptoativos é tão volátil. Dessa forma, é importante acompanhar e, principalmente, entender o quais são os fatores que causam as oscilações constantes no mercado.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.